sexta-feira, 15 de março de 2013

Batismo pelos mortos.

  Quase ao norte de Corinto havia uma cidade chamada Eleusis. Este era o local onde os seguidores de uma religião pagã praticavam o batismo no mar a fim de garantir uma boa vida após a morte. Esta religião foi mencionada por Homer no hino a Deméter 478-79. Sabia-se que os coríntios eram fortemente influenciados por outros costumes. Afinal, eles estavam numa área economicamente próspera frequentada por muitas pessoas diferentes. É possível que os coríntios estivessem sendo influenciados pelas práticas religiosas encontradas em Eleusis, onde o batismo dos mortos era praticado.

 [Do gr.  baptisma , mergulho, submersão], rito observado por algumas seitas antigas e modernas, visando a redenção dos que morreram de forma impenitente. Tomando por base 1 Coríntios 15.29, acreditam que, se o fiel batizar-se por alguém que tenha morrido em pecado, este terá os castigos comutados.  Eis as seitas que adotaram tal prática:  marcionitas, novacianos e mórmons. 
  Ora, se essa prática é contrária ao espírito do Novo Testamento, por que Paulo a mencionou? Vejamos, em primeiro lugar, como ele a mencionou: "Doutra maneira, que farão os que se batizam pelos mortos, se absolutamente os mortos não ressuscitam? Por que se batizam eles então pelos mortos?" (1 Co 15.29). Notemos, antes de mais nada, que a prática foi mencionada e não sancionada. Pelo contrário: fazia-se acompanhar de um erro que já se ia cristalizando na igreja de Corinto: a descrença quanto à ressurreição. Além do mais, o que nos assevera  Hebreus 9.27?  " E, como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo depois o juízo".  Pois todos os homens vivem e morrem apenas uma vez, sendo estabelecido seu julgamento eterno pelas ações praticadas nessa vida.

    Paulo estava citando o batismo dos mortos como exemplo de prática dos pagãos  em  1Co 15.29 quando disse: "...Se, absolutamente, os mortos não ressuscitam, por que se batizam por causa deles?"  Paulo não disse nós.
É importante ressaltar isto porque a Igreja Cristã não estava praticando o batismo dos mortos, mas sim os pagãos.
O argumento de Paulo era simples. A ressurreição é uma realidade que acontecerá quando Jesus voltar. Até mesmo os pagãos acreditam na ressurreição, do contrário, por que iriam se batizar pelos mortos?
Porém, muitos não estão convencidos deste argumento e afirmam que a palavra "eles" não está no texto grego e, portanto, Paulo não está se referindo aos pagãos. Vamos examinar:
A tradução literal do versículo é a seguinte: "O que fará o ser imerso em nome dos mortos se inteiramente mortos não são ressuscitados porque também eles são imersos em nome deles".
A chave aqui é a palavra "baptizontai", que significa "eles são batizados". O verbo está na terceira pessoa do plural do presente do indicativo, na voz passiva. Em outras palavras: ELES ESTÃO SENDO BATIZADOS ou ELES SÃO BATIZADOS.

Nenhum comentário:

Postar um comentário