sexta-feira, 15 de março de 2013

De que forma morreu Judas Iscariotes? Mt 27:5 e At 1:18


 Mateus 27.3-10 registra o remorso de Judas, por ter traído Jesus, entregando-o às autoridades judaicas. De início, ele tentou devolver as trinta moedas de prata que lhe haviam sido pagas, para que conduzisse a multidão ao Getsêmane, onde Jesus foi preso. Mas os sacerdotes e oficiais do templo recusaram-se a aceitar de volta esse dinheiro, visto ser preço de sangue e, portanto, inadequado como oferta para Deus. Então Judas atirou a sacola com as moedas no chão da tesouraria do templo, saiu da cidade e "enforcou-se" (apēnxato — o tempo aoristo, terceira pessoa do singular de apanchō, verbo usado com esse significado específico a partir do século V a.C). Isso estabelece o fato de que ele amarrou uma corda ao pescoço e saltou do galho da árvore onde colocara a outra extremidade da corda.
  Em Atos 1.18, o apóstolo Pedro lembra aos demais discípulos do fim vergonhoso de Judas, e da vacância que surgiu na fileira dos doze. Outro deveria tomar seu lugar e preencher a vaga. E Pedro diz-nos o seguinte: "Com a recompensa que recebeu pelo seu pecado; Judas comprou um campo [chōrion]. Ali caiu de cabeça, seu corpo partiu-se ao meio, e todas as suas entranhas se derramaram". (Isso pode significar que Judas já havia combinado com o dono do campo que ele desejava adquiri-lo com o dinheiro da traição; ou — como parece bem mais provável neste contexto — Pedro estava falando com ironia, declarando que Judas comprou um pedaço de terra, é verdade, mas em um cemitério [chōrion pode significar "campo" ou "cemitério"], isto é, aquele em que seu corpo sem vida caiu.) 
  Atos 1.18 prossegue dizendo: "... Ali caiu de cabeça; seu corpo partiu-se ao meio, e suas vísceras se derramaram". O texto indica que a árvore à qual Judas se pendurara ficava à beira de um precipício. Se o galho ao qual ele se amarrara e do qual saltara estivesse seco e muitos apresentam esse tipo de problema, encaixam-se nesta descrição em nossos dias perigosamente à beira de um precipício que a tradição identifica como sendo o lugar onde Judas morreu, bastaria o peso do corpo e o impacto forte da queda para que o galho se partisse e o corpo de Judas se precipitasse para o fundo do abismo.  
   Há indicação de que houve forte ventania à hora da morte de Jesus, que teria rasgado o véu do templo de alto a baixo (Mt 27.51) e teria ajudado a romper o galho onde Judas se enforcara. Tal tempestade provavelmente foi acompanhada por um terremoto que estraçalhou grandes rochas, seguido de trovões estrondosos, que normalmente acompanham os períodos prolongados de acúmulo de nuvens e escuridão (Mt 27.45). As condições eram perfeitas para um suicídio que se iniciara por enforcamento e terminou com um horrendo despedaçamento do cadáver, ao despencar no fundo do precipício.



Nenhum comentário:

Postar um comentário