sexta-feira, 8 de março de 2013

Joio e o trigo


 

O joio é “uma erva daninha que nasce nas plantações de grãos, parecida com o trigo”[1]. É conhecido também como cizânia e trigo bastardo. Até que sua espiga esteja madura, é quase impossível distingui-lo do trigo verdadeiro, mesmo sob o escrutínio mais severo.[2]

Abaixo do solo, a raiz do joio é mais ampla e profunda e se entrelaça na do trigo. O sistema de raízes do joio é bem mais desenvolvido que o do trigo.[3] 


O joio usualmente cresce nas mesmas zonas produtoras de trigo e se considera uma erva daninha desse cultivo. A semelhança entre essas duas plantas é tão grande, que em algumas regiões costuma-se denominar o joio como "falso trigo".
Pode ser venenosa e uma pequena quantidade de joio colhida e processada junto ao trigo pode comprometer a qualidade do produto obtido.
O trigo muda de cor, assumindo um tom amarelado até chegar a palha, enquanto o joio permanece no seu verde sumo com rajas mais claras, como sempre foi; o trigo forma-se em pendão, elevando-se altivo, apontando para o céu, enquanto o joio se esparrama desfigurado, perdendo totalmente a forma de sua aparência inicial;
 A raiz do trigo, embora ele também seja da família das gramíneas, cresce para baixo, mas com pouca profundidade, facilitando a sua colheita; o joio, por sua vez, se alastra sorrateiro, se imiscuindo entre as raízes alheias; por fim, quando vêm os frutos, mais destaque se dá às diferenças: o trigo explode de dentro para fora em belos cachos de sementes, todas postadas em incrível ordem, formando um belo pendão, tornando agradabilíssimo aos olhos o seu espetáculo, tremulando ao vento ao longo de um vasto campo.
 O joio, ao contrário, produz umas bolotas enrugadas que, de imprestáveis que são, caem dos seus ramos antes mesmo de amadurecer. A ciência biológica até hoje não conseguiu definir qual o valor e utilidade dessa planta. 

Características do Joio-Homem

Sem dúvida o poder dos joio-homens está na imagem. Eles praticam um "estelionato espiritual" de aparências. O joio parece ser trigo, mas não é. O joio quer ser, tem aparência de que é, sem ser. Por isso o joio-homem se preocupa demasiadamente com sua imagem e reputação. O joio é moralista religioso, judicioso, preso ao pé da letra da lei, meticuloso em busca dos erros dos outros.

O joio é politicamente correto, se escandaliza com qualquer pecado alheio, sem misericórdia. Cheio de aparência do que é ético, do que é justo. E se gloria disso, e se auto-afirma pra todo mundo saber da sua pseudo santidade.
Mas interiormente ele nada tem de fato de santidade. Seu coração está cheio de perversidade e engano. Nas "escondidas", quando ninguém está vendo, ele faz tudo que condena nos outros.
Ele é um "santo na igreja", mas em casa, cheio de arrogância, trata mal a esposa, não dá atenção aos filhos, é negligente com os pais, não ajuda a seus irmãos. É mau vizinho, mau funcionário na empresa, mas enxerga defeitos em todos a sua volta.
E ninguém pode reclamar dele, sua imagem não pode ser "arranhada", afinal, ele vive dela, ele vive de aparências. Sejamos o verdadeiro trigo, para que o Senhor seja glorificado através de nossas vidas. Maranata
Notas:
[1] Citado por Simon Kistemaker, As parábolas de Jesus. São Paulo: CEP, 1992, p. 58.
[2] Cf. John F. MacArthur, Jr., O evangelho segundo Jesus. São José dos Campos: Editora Fiel, 1991, p. 149.
[3] Kistemaker, p. 68.

Nenhum comentário:

Postar um comentário