quarta-feira, 13 de março de 2013

O Criador não é o sol ou a lua



Em Gênesis 1.16, as palavras sol e  lua não foram omitidas por acaso, pois o escritor já estava ciente de que estes dois astros eram considerados proeminentes deuses no Oriente Próximo.
No Egito, o sol estava associado aos deuses Amon-Rá e Aton. Os egípcios acreditavam que Rá havia criado o mundo e que um dos olhos de Rá era o deus-lua Tefnut. Outro deus do panteão egípcio admitido como o criador chamava-se Ptah. Seus dois olhos consistiam no sol e na lua.
Na Mesopotâmia, o deus-sol, Shamash, era reverenciado como o benfeitor dos oprimidos. Os adoradores cananeus conheciam o sol como Shemesh. O surgimento de vários lugares batizados com o nome deste ídolo cananeu (1 Sm 6.12, Bete-Semes) indica a sua importância para os politeístas. Neste culto, o deus-lua não tinha a mesma importância que o deus-sol.
O autor de Génesis nos mostra (Gn 1.14-19) que o Criador do mundo está em um plano diferente do da lua ou do sol, sendo estes apenas maiores ou memores luminares, ou seja, meras criações de Deus. Consequentemente, não devem ser adorados.

Notas:
O Novo comentário Bíblico do Antigo Testamento
EarI D. Radmacher, Ronald B. Allen, H. Wayne House

Nenhum comentário:

Postar um comentário