sexta-feira, 15 de março de 2013

Saul e a médium de En-Dor


  Os espíritas não creem na Bíblia e nem reconhecem a sua autoridade como Palavra de Deus. Mas quando o assunto interessa a eles, nesse caso, a Bíblia é evocada como autoridade. Eles reivindicam o texto de 1 Samuel 28, onde registra o episódio de Saul e a feiticeira, para consubstanciar a prática da necromancia, condenada pela Palavra de Deus.       Afirmam que Samuel se comunicou com Saul, mesmo depois de sua morte.Diz a Bíblia: "Entre ti se não achará quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro, nem encantador de encantamento, nem quem consulte um espírito adivinhante, nem mágico, nem quem consulte os mortos" (Dt 18.10,11).  
   Consultar os mortos é a prática da necromancia e isso é a viga-mestra do espiritismo. Eles estão reprovados por Deus e por sua Palavra. Saul em desespero se disfarçou de cidadão comum e foi se consultar com uma médium. Samuel falou de fato com Saul nessa sessão espírita? Vamos aos fatos. A luz do contexto, a feiticeira de En-Dor falou com os "deuses", que subiam e não com Samuel. Além disso, só depois que a médium recebeu a entidade é que reconheceu que era Saul. A partir de então o suposto Samuel falava com Saul. Veja 1 Samuel 28.8, 12,13.
   Como podemos saber que não era Samuel mas um demônio disfarçado? A Bíblia apresenta algumas respostas que esclarecem essas coisas. O suposto Samuel disse: "Amanhã tu e teus filhos estareis comigo" (1 Sm 28.19). Saul não morreu no dia seguinte. A Bíblia Vida Nova, na nota de rodapé, afirma que Saul morreu 18 dias depois dessa visita à médium. Basta somar os dias mencionados nessa narrativa bíblica para se confirmar isso.
Não morreram todos os seus filhos no dia seguinte e nem mesmo juntos dele. Pelo menos Isbosete, Armoni e Mefibosete sobreviveram. Veja 2 Samuel 2.8-10; 21.8. Um desviado que se suicida não vai para o mesmo lugar onde se encontra um profeta de Deus. Saul, portanto, não pode ter ido para junto de Samuel. Saul não foi entregue nas mãos dos filisteus, ele se suicidou: "... Saul tomou a espada e se lançou sobre ela" (1 Sm 31.4). A Bíblia diz que Deus não deixou cair por terra nenhuma palavra de Samuel. Veja 1 Samuel 3.19. Logo, o tal personagem que falou com Saul não pode ter sido Samuel.
   Deus se revelava nos tempos do Velho Testamento por diversas maneiras: sonhos, urim e tumim e por profetas. Veja Jó 33.15-17; Êxodo 28.30; Hebreus 1.1. São esse os três recursos que a Bíblia diz que Deus se recusou responder a Saul. Quando, naquela época, alguém consultava um profeta de Deus era o mesmo que consultar a Deus, pois o profeta era porta-voz de Deus. 
   A Bíblia, entretanto, afirma que Saul consultou a "feiticeira e não a Samuel nem ao Senhor: "... E “também porque buscou a adivinhadora para consultá-la e não buscou o SENHOR...” (1 Cr 10.13,14). Se Saul tivesse consultado a Samuel teria consultado a Jeová, Deus de Israel.
   Diante de tudo isso, fica claro que essa entidade era o espírito demoníaco disfarçado de Samuel, como acontece nas sessões espíritas ainda hoje. 
  Os mortos não podem ter contato com os vivos, pois são espíritos de demônios que se manifestam nessas práticas, e isso justificar o fato de Deus haver proibido a prática da necromancia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário